Indiciado por corrupção, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu será capaz de usar - AFP